O que você achou do nosso site?



11/02/2019
Primeira grande feira do ano bate recordes em Cascavel


As novidades em tecnologia atraíram público recorde à feira, onde 520 expositores se dividiram em estandes montados em uma área de 720 mil metros quadrados (m²)



Com foco no uso de novas tecnologias para produzir mais com menos, encerrou-se na sexta-feira (8) o Show Rural Coopavel, a primeira grande feira de novidades para o agronegócio do ano. As novidades variaram entre novos tratores, maquinários, insumos e aplicativos que permitem aos agricultores ter mais informações sobre o próprio trabalho, gastar menos e se profissionalizar cada vez mais. Tudo em meio a uma euforia pós-crise nacional, demonstrado pelo otimismo dos vendedores no aumento dos investimentos no campo neste ano e que movimentou R$ 2,2 bilhões em negócios estimados, recorde da feira em Cascavel. 

Foram 520 expositores que receberam 288,8 mil visitantes, também o maior público do evento, formado por pesquisadores, trabalhadores, agricultores e técnicos do setor, em uma área de 720 mil metros quadrados (m²). Por outro lado, todos os discursos se assemelhavam pelo foco no ganho de produtividade por meio da adoção de novas tecnologias, sem a necessidade de aumentar o espaço ocupado pelo agronegócio. 

Tanto que o Show Rural teve nesta 31ª edição a primeira versão digital, com um ambiente de 2,8 mil m² para cerca de empresas de TIC (tecnologia de informação e comunicação), entre as quais Microsoft, HP, Cisco, Totvs, Itaipu, e Sebrae. Foi promovido também o primeiro hackathon, em que dez grupos buscaram soluções para problemas propostos por uma banca avaliadora, nas áreas de logística, armazenamento, transporte, apicultura, avicultura, agricultura, alimentos e bebidas, gado de corte e agricultura familiar. A proposta foi organizada pela Coopavel, em parceria com Acic Labs/Sicoob Credicapital, Sebrae, Sistema Fiep, Sindicato Rural de Cascavel, Iguassu Valley e Fundetec. 

CHAMARIZES 

Contudo, são mesmo as novidades em insumos e em tratores que chamam mais a atenção do agricultor que visitou a feira, além, claro, das ofertas especiais para aquisição de equipamentos e de crédito em instituições financeiras. Como 85% do agronegócio paranaense é formado por pequenos e médios produtores, segundo a Seab (Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento), muitas marcas apresentaram opções compactas, mais apropriadas ao bolso e ao tamanho das propriedades rurais da região. 

A Mahindra, gigante indiana que está no Brasil desde 2012 e é a maior fabricante de tratores do mundo, lançou no País o modelo 2025, com 25 cavalos (cv). Indicado para estufas, ruas estreitas ou canteiros a partir de 80 cm, é ideal para hortifrutigranjeiros, estufas e parreirais, que contam com espaço de manobra mais limitado. Especialista em marketing do produto da marca, Gilberto Dutra afirma que a trator oferece facilidade de acesso para fazer inspeções diárias e manutenções eventuais, com 750 kg de capacidade nos três pontos. "Outro ponto é que todo o nosso portfólio apresenta cinco anos de garantia e somos os únicos do mercado com essa condição", diz. 

Também de olho nesse mercado, a LS Tractor apresentou ao público o modelo U80, de 80 cv, e promessa de precisão e menor consumo de combustível. Ao mesmo tempo, anunciou que foi credenciada pelo Programa Trator Solidário, do governo paranaense. Esse sistema permite que o agricultor pague pelo bem em equivalência de produtos, com cerca de 15% de desconto em relação ao valor de mercado e já permitiu a comercialização de 12 mil tratores em dez anos. A empresa sul-coreana fabrica no País modelos de 40 a 145 cavalos, que representam 85% do mercado consumidor. "Temos tratores bons para fruticultura, pecuária, leite e também para o plantio", diz o diretor comercial da empresa, André Rorato. 

Gerente nacional de vendas da Husqvarna, Pedro Quevedo afirma que a empresa lançou mais de 40 produtos no ano passado, focados em pequenas propriedades. Apesar de mais identificada pelo público em geral como empresa de jardinagem e construção civil, ele diz que a empresa tem equipamentos direcionados a várias culturas, como a cafeicultura. "Temos uma roçadeira usada para derriçar e que atende o que o produtor precisa, o aparador de cerca viva, o soprador para antes da secagem do café, pulverizadores e motosserra", conta. Ainda, apresentou uma linha de geradores e um robô totalmente autônomo, que até recarrega a bateria sozinho, para corte de grama. 

PARA GRANDES E PEQUENOS 

A resolução MAR-I, que determina a redução de poluentes com baixo consumo de Arla (Agente Redutor Líquido de Óxido de Nitrogênio Automotivo), passou a ser obrigatória em 2019 também para motores abaixo de 100 cv. A exigência já existia anteriormente para os mais potentes e, de olho nesse mercado, a FPT Industrial, do grupo CNH que engloba as marcas Case IH e New Holland, lançou toda uma linha de novos equipamentos. "Todos os motores são turboalimentados, então, além de aumentar a potência, ser 60% menos poluente, tem acerto de bomba mecânica que dá economia de combustível", diz o especialista em marketing de produtos André Faria, da FPT Industrial. 

O destaque ficou por conta do motor FPT Cursor 16 da nova forrageira FR780, que entrega a maior potência do mercado nacional, com 775 cv. São 15,9 litros, seis cilindros e a promessa de reduzir em 95% a emissão de poluentes. 

Por fim, a Case IH apresentou oficialmente para venda a linha Quadtrac, de tratores articulados com esteira. A opção é para produtores que buscam reduzir a compactação do solo sem abrir mão da força, já que a potência chega até a 629 cv.

Fonte: Folha de Londrina


 Voltar  Enviar para um amigo  Imprimir

 23/04/2019 - Cotação Diária do Boi Gordo em 22/04/19
 23/04/2019 - Carne bovina: Números indicam aumento das exportações em abril
 23/04/2019 - Mercado do boi gordo acalmou
 23/04/2019 - Programa de marketing global da carne australiana completa 5 anos
 23/04/2019 - Previsão do tempo para esta Quarta-feira (24/04/2019)

 
 

Nome
E-mail